Domingo, 30 de Dezembro de 2007
Operários

Freeman Dyson, o físico teórico ligeiramente iconoclasta, gosta de sugerir que muitas descobertas verdadeiramente inovadoras da ciência do futuro serão feitas por indivíduos relativamente isolados, trabalhando em domínios fora de moda, em partes do mundo remotas. As pessoas que trabalham em ciência de tipo industrial, que publicam artigos com sessenta autores por página do título e um corpo de centenas para os apoiar, não têm simplesmente ideias originais – estão demasiado ocupadas a competir com o grupo rival […]

 

 

Ian Hacking, A Ciência tal qual se faz, Coord.Fernando Gil

 

Num mundo que tende a agrupar para somar e multiplicar é estranho que alguém defenda que o indivíduo isolado possa superar o grupo.Mas não sabemos nós que numa competição os dois intervenientes têm tendência para sair prejudicados. Assim é em teoria mas a tendência de agrupar e especializar funções é a que prevalece no mundo actual. O que é diferente isola-se e tende a ser anulado. Assim acontece na Natureza. A vida evoluiu para seres de organização e complexidade crescente atingindo o seu clímax no Homo sapiens ( defendendo um ponto de vista antropocêntrico) e nesse sentido o individuo isolado, não integrado é anulado.

Porém,

a criação é um acto de um homem só, é um acto isolado, um acto de inspiração (dizem que divina) que ocorre quando as condições são favoráveis.

Talvez por isso os prémios Nobel sejam atribuídos a uma pessoa só. A que foi capaz de inspirar e expirar. Os outros são os artefactos que enchem o laboratório do imortal. Pessoas artefactos. Operários de massa cinzenta.

publicado por maria anjos castanheira calado às 19:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 29 de Dezembro de 2007
Do relativismo

“Nas Grandes Antilhas, alguns anos após a descoberta da América, enquanto os Espanhóis enviavam comissões de investigação para indagar se os indígenas possuíam ou não alma, estes últimos dedicavam-se a afogar os brancos feitos prisioneiros para verificaram através de uma vigilância prolongada se o cadáver daqueles estava, ou não, sujeito a putrefacção.”

Claude levi-Strauss “Raça e História”p.19

 

Neste livrinho em que Levi-Strauss nega a existência de um evolucionismo social analisam-se as formas de concepção da ideia de “selvagem”. Todos os grupos procuram afirmar-se negando o que é diferente.

Para mim é inconcebível a noção de raça e superioridade racial pois de um ponto de vista biológico só existe uma espécie. Por outro lado existem mais culturas do que raças humanas. Quando se fala em sociedade humana  e se tenta analisar a diversidade de formas de estar esquecemos que do ponto de vista da história da Terra somos apenas um produto recente e curioso na variedade existente. Ao nível micro a variedade cultural confunde-nos e baralha-nos mas a nível macro não passamos de mamíferos com uma massa encefálica considerável. Olhando para os nossos 4600M de anos de história diria que o futuro nos reserva o pó e apenas uma lugar nos Compêndios de História das crianças do futuro.

Moral da história como pede a minorca: aprendamos a ser humildes e procuremos as pequenas felicidades junto dos que nos querem bem.Um dia seremos uma partícula num dente de leão que, esse sim, resistirá á evolução…

publicado por maria anjos castanheira calado às 16:45
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007
Elogio do Riso

LI

 

E as horas mortas vão passando…

Passa a velha Emília, alta e magra, cheia de rugas; um ar escuro e sério envolve-lhe a fisionomia cavada em profundidade agoirentas… A bruxa de Endor, já múmia transparece através dela…

Passa Inês, baixinha e alegre. Setenta anos, e a face lisa e redonda, e uns olhos de alegria! Exala um aroma branco e virginal. Vai morta e vai a sorrir…

( A morte destrói tudo – tudo, menos o riso, porque o riso é a própria expressão da morte, a única expressão viva que ela tem…)

[…]

 

Teixeira de Pascoaes, O Bailado

 

A morte.Ter medo da morte é ter medo do vazio, da anulação da alma. Mas que coisa é a alma que nunca a vi? Diria antes que a morte é uma mudança de estado: de matéria animada e neguentrópica para matéria com menor nível de energia e logo entrópica. È uma reacção química poderosa que nos faz incorporar em outros seres ou nos faz voltar para a poeira das estrelas através do vazio cósmico. Quando se fala em reencarnação talvez se percepcione essa capacidade de reciclagem da matéria que um planeta com vida possui. Ou mesmos sem vida. Somos pó e ao pó voltamos e dessa forma se regenera o ciclo da matéria. Daí podermos dizer que hoje somos carne e amanhã a pétala de uma flor.

Mas enquanto a morte não vem cumpre-nos o riso e a humanidade. A expressão da vida do Homo sapiens.

publicado por maria anjos castanheira calado às 18:20
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007
sons do vento 29

Barclay James Harvest ( rebel woman e Victims of cincumstances)

 

Uma dose dupla original mas devo confessar que fiquei arreliada com a quantidade de cópias reles que havia no youtube. Enfim, quem conhece o som original não se deixa enganar! os outros....que aprendam.

publicado por maria anjos castanheira calado às 18:47
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Dezembro de 2007
Conto de Natal

Era uma vez um lago numa floresta habitado por pequenos elfos. Nesse lago habitava a Senhora das Água tantas vezes cantada por petas e trovadores mas jamais avistada. A harmonia reinava nesse pequeno mundo e só era quebrada nos dias de muito calor quando o pequeno lago quase se evaporava. Ainda assim, nesses dias a Senhora fazia jorrar uma pequena fonte que a todos refrescava.

Um dia de Sol tórrido a Senhora saiu a passear pelos Oceanos e o pequeno lago transformou-se repentinamente num pântano. Atarantados animais e plantas começaram a clamar pela Senhora. Mas ai! A Senhora estava longe e não os ouvia. Os pequenos elfos começaram então a voar em círculos procurando uma fonte de água mas nada. Perante o desespero geral ocorreu então a magia: as plantas esticaram as suas raízes e procuraram água em locais profundos e os animais desenvolveram pulmões e começaram a respirar da atmosfera. Num passe de magica todos se adaptaram.

Quando a Senhora regressou avistou o lago e percebeu a transformação. O lago era agora o pântano e uma nova ordem se tinha estabelecido. Sorriu e regressou ao mar a entrançar o cabelo longo das sereias.

 

publicado por maria anjos castanheira calado às 23:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
.anónima
.pesquisar
 
.Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.frescos

. Revisitação

. Do Olhar

. Regressão temporal

. Conto de natal

. desencontros

. ...

. ...

. contos a duas mãos 5

. Ano Novo

. Conto de Natal

.em decomposição

. Maio 2016

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

.tags

. todas as tags

.alguns links
blogs SAPO
.subscrever feeds