Sexta-feira, 25 de Dezembro de 2009
Conto de Natal

 

Era uma vez um castelo encantado, lá para os lados da Serra, onde a neve costumava ser abundante. Nesse castelo viviam uns velhos ricos rodeados por animais de estimação.
Quando o natal chegava os velhos que eram muito velhos, acendiam uma fogueira, comiam o bacalhau, numa ilusão vã de acompanhar o povo. Mas o ritual era frio, repetitivo, cansativo e acabou por perder o significado. De forma que no Natal nevava sempre fora e dentro do castelo.
Mas o milagre aconteceu: certo Natal, os animais revoltados pelo frio, resolveram organizar eles o Natal: correram à procura de pinheiros verdadeiros, decorações verdadeiras, comida verdadeira. E organizaram uma festa. Esse Natal seria diferente.
Na cave, estenderam uma tábua e sobre a tábua uma toalha de linho. Vieram os arranjos de Natal e as velas. A comida dispôs-se abundante na toalha. Mas… faltava qualquer coisa. Os velhos! Tinham que os chamar: o gato e o cão subiram ao andar de cima e miaram e ladraram tanto que os velhos se levantaram e os seguiram. E…deslumbramento: por todo o lado, luz, cor, brilho, festa. Os velhos sorriram e sentandos na poltrona cantaram canções de Natal muito antigas, ensinaram à bicharada o sentido do Natal no antigamente, quando os tempos eram duros e era o calor dos homens que iluminava os dias de consoada, no mais humilde dos casebres.
E foi assim que o carinho e a alegria voltaram ao pequeno castelo.

 

 

(sonho de James Dean)

publicado por maria anjos castanheira calado às 00:01
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De cravo a 29 de Janeiro de 2010 às 21:05
Adorei esta tua história de Natal. Tenho a certeza que a minorca também deve ter gostado :) Bom ano 2010 para ambas!

Comentar post

.anónima
.pesquisar
 
.Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.frescos

. Revisitação

. Do Olhar

. Regressão temporal

. Conto de natal

. desencontros

. ...

. ...

. contos a duas mãos 5

. Ano Novo

. Conto de Natal

.em decomposição

. Maio 2016

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

.tags

. todas as tags

.alguns links
blogs SAPO
.subscrever feeds